Sabes participar com a tua opinião noutros espaços da rede?

Primeira páginaAprenderParticiparExplorarResponder

APRENDER

Vamos aprender a publicar conteúdos na rede.

Existem três formas básicas de o fazer: 
- a criação
- a agregação
- a curadoria
São três situações diferentes, embora as fronteiras entre elas nem sempre sejam nítidas.

A criação diz respeito às situações em que dispões do teu próprio blogue (Blogger, Wordpress), sítio (Google Sites, Wix, Webnode, etc.), canal (YouTube, Flickr, etc.) ou perfil pessoal numa rede social (Facebook, Twitter, Instagram, Pinterest, etc.). És o único responsável pelo que publicas no teu espaço: decides o que colocas em cada momento, podes apagar publicações antigas ou encerrar o espaço. Podes também moderar (eliminar ou aceitar) os comentários que outras pessoas façam às tuas publicações, apesar de isto depender das características técnicas da aplicação.

A agregação é a situação em que ocorre o envio de conteúdos para um local gerido por outra pessoa ou instituição, quando, por exemplo, envias um post para um blogue favorito, quando comentas a última fotografia adicionada por um amigo no seu perfil, no Instagram ou no Pinterest, quando felicitas um amigo no seu perfil ou quando fazes um clique no botão "gosto" do Facebook, etc.

A curadoria verifica-se quando ocorre a partilha de um conteúdo da rede com as pessoas que te conhecem. Quando "retuítas" um tuíte, partilhas uma publicação no Facebook ou no Tumblr, quando reenvias uma mensagem no WhatsApp ou quando fazes uma ação simples de "copiar" e "colar", é de curadoria que se trata. Em todos estes casos, ainda que não escrevas nada, todas as pessoas que te conhecem ou seguem vão aceder ao conteúdo partilhado.


Pensa nestas questões:

  1. Quantos espaços pessoais tens na rede (perfil no Instagram, Facebook, Twitter, Flickr, etc.)? Faz uma lista de todos eles!
  2. Em que espaços publicas conteúdos habitualmente? Faz uma lista de todos!
  3. Quantos conteúdos partilhaste, através de curadoria, nos últimos três dias?
  4. Partilhas fotografias, textos, imagens, posts com colegas e amigos na rede? Todos têm um espaço próprio na rede?

A esta etapa colaborativa da rede decidiu chamar-se Web 2.0, com o objetivo de a distinguir dos primeiros anos, que seriam uma espécie de Web 1.0. Mas essa denominação é apenas uma metáfora, pois não existiu nenhuma atualização de software nem nenhuma alteração técnica de fundo no funcionamento da rede.

É, sem dúvida, muito mais fácil "curar" um conteúdo encontrado na rede do que publicar uma mensagem pessoal e original, que requer tempo e esforço. Por isso, muitas pessoas fazem mais curadoria de conteúdos da rede (partilha, reenvio, cópia e colagem) do que publicação de textos pessoais; desta maneira a sua identidade digital depende mais da curadoria que fazem do que daquilo que publicam propriamente. Assim, é muito importante prestar atenção aos conteúdos que submetemos a curadoria. 

Para compreenderes melhor o que é a curadoria, vê este vídeo do filósofo Mario Sergio Cortella:

«A Era da Curadoria: O que Importa é Saber o que Importa»


 
Toma atenção aos seguintes aspetos para "curar" conteúdos:
  1. Escolhe um conteúdo de qualidade: que seja fiável (científico, autêntico); que provenha de fontes fidedignas (imprensa reconhecida, instituições oficiais), que seja atual, que não seja comercial. Lembra-te sempre de que circula muito lixo na rede: falsidades, publicidade enganosa, vírus, etc.
  2. Não partilhes mensagens desrespeitosas: mensagens racistas, misóginas, homofóbicas, classistas ou difamadoras podem magoar os outros. Não te esqueças de que a ciberetiqueta não admite comentários negativos.
  3. Distingue o público do privado. Costumamos partilhar paródias, sátiras, piadas sobre políticos, desportistas, atores ou cantores famosos, porque são pessoas públicas e que estão habituadas a isso. Mas não é habitual nem aceitável fazê-lo com amigos ou conhecidos.
  4. Escolhe os destinatários apropriados. Em algumas redes, como o Facebook, podes escolher os destinatários de cada partilha de conteúdos, mas noutras não, como o Twitter, por ser pública. Tem sempre isto em mente, se não queres que qualquer pessoa tenha acesso a certos conteúdos.
  5. Escolhe os teus temas. Decide sobre que temas (política, desporto, cultura, etc.) queres partilhar conteúdos. Podes decidir partilhar apenas publicações sobre os teus temas favoritos (banda desenhada, música, cinema, televisão, etc.), para que os teus leitores saibam o que vão encontrar.
  6. Partilha de forma regular. Vale a pena partilhar conteúdos periodicamente e de forma contínua: uma vez por semana ou uma vez por mês. Deste modo, os teus seguidores optarão por manter-se em contacto com o teu perfil.
  7. Recorda que o que partilhas fica guardado para sempre. O que partilhas fica inscrito na tua biografia e o mesmo acontece com qualquer mensagem ou publicação. Em algumas redes, poderás apagá-lo ou ocultá-lo, mas os proprietários das redes guardam tudo nos seus arquivos. Se não queres que tal aconteça, não partilhes conteúdos em linha.


Outras denominações utilizadas atualmente para referir os cibernautas são as de nativo e emigrante digital ou de visitante e residente digital. Os nativos digitais são as pessoas que nasceram a partir de 1995, que cresceram com a rede e a consideram algo normal nas suas vidas. Pelo contrário, os emigrantes nasceram antes da invenção da rede e tiveram de aprender a usá-la. Os visitantes digitais são os que apenas se ligam a ela de vez em quando, enquanto os residentes são os que estão sempre ligados. Estão muito mal vistos na rede os cibernautas pouco ativos, que não publicam conteúdos. Os que se juntam a um fórum, seguem as suas mensagens mas nunca publicam nada chamam-se "mirones” (lurkers, em inglês) e os que apenas publicam mensagens vazias ou sem substância (”estrunfes”, em inglês smurfs ou smurfettes). Também se fala dos preguiçosos (ou idlers), que são os que publicam muito pouco.

smurf

Imagem: Asrar Makrani, Flickr.

Reconheces-te como nativo digital?

Quanto tempo estás ligado à rede durante o dia? Sentes-te visitante ou residente digital?

Será que pertences ao grupo dos "estrunfes"?


Aprende +



Primeira páginaAprenderParticiparExplorarResponder



Last modified: Thursday, 8 November 2018, 1:48 PM